Quarta, 19 de Janeiro de 2022 15:50
(66) 98420-9136
Geral UNIDADES PRISIONAIS

Sindspen MT rebate boatos de facilitação nas fugas e aponta precariedade e superlotação nas unidades prisionais

Sindicato dos Policiais Penais informa que em algumas unidades o número de detentos é o dobro da capacidade e na Penitenciária Feminina não existem grades na parte superior das celas

13/01/2022 16h17
Por: Reportagem Fonte: Sindspen-MT
Reprodução
Reprodução

Superlotação, falta de manutenção e até mesmo as estruturas inadequadas encontradas nas unidades prisionais do Estado são as maiores responsáveis pelas recentes fugas de reeducandos da Penitenciária Central do Estado (PCE), nesta segunda-feira (10), em Cuiabá, e na Penitenciária Major Zuzi, em Água Boa, no último dia 3. De acordo com o Sindicato dos Policiais Penais de Mato Grosso (Sindspen-MT), algumas dessas unidades abrigam o dobro de detentos que a unidade comporta, e a falta de investimento na estrutura dos presídios dificulta o trabalho dos servidores.

Somente na PCE, local onde dois reeducandos fugiram nesta segunda-feira, são 2.440 detentos em um presídio com capacidade para 1.200 pessoas. A unidade passa por reforma e de acordo com servidores, os reeducandos aproveitaram os transtornos causados pela falta de planejamento e organização durante as obras realizadas pelo governo Estado na unidade.

“São mais de dois mil reeducandos dentro da unidade para um plantão de mais ou menos 30 policiais penais. É um trabalho extremamente difícil, e por causa das obras, ficou ainda mais complicado manter o controle e a organização dentro da unidade. Ao contrário do que estão supondo, não houve facilitação por parte dos policiais penais para que as fugas acontecessem. Há um problema sério de estrutura e condições precárias”, afirmou o diretor de Imprensa do Sindspen MT, Jota Moraes.

A situação é crítica também na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, também na Capital, onde uma detenta foi capturada no telhado da unidade no dia 28 de dezembro, quando tentava fugir do local. “Ali é mais complicado ainda. A parte de cima das celas são cobertas apenas por telhas de amianto, que como sabemos são frágeis e não impediria nenhuma detenta de fugir do local”, ressalta.

Em Várzea Grande, no Complexo Penitenciário Ahmenon Lemos Dantas, que tem capacidade para abrigar aproximadamente mil presos, não possui muro de contenção, e é cercada apenas por grades. Além disso, os policiais penais reclamam da falta de uma guarita para ajudar no controle de quem entra e sai da unidade, e nem alojamento adequado para os servidores.

Já na Penitenciária Major Zuzi, em Água Boa, onde a estrutura é um pouco melhor, o problema é a superlotação. De acordo com levantamento do Sindspen MT, a unidade tem capacidade para aproximadamente 330 detentos e abriga atualmente mais de 650.

“Nós vemos com frequência na mídia que o governo tem dezenas de obras em andamento, mas infelizmente essas melhorias não estão acontecendo nessas unidades”, ponderou Moraes.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.